DESGASTE NO JOELHO

DESGASTE NO JOELHO

Desgaste no joelho é uma expressão bastante popular. O paciente, quando diz que tem desgaste no joelho, está se referindo ao processo degenerativo da articulação, que é mais evidente quando existe comprometimento da cartilagem. Condromalácia patelar e artrose são as duas doenças degenerativas mais comuns que acometem a cartilagem do joelho. A condromalácia é mais comum em pessoas mais jovens enquanto que a artrose é mais comum em pessoas mais velhas, normalmente acima de 60 anos de idade. Com o envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida das pessoas, a artrose do joelho será uma doença cada vez mais comum. No passado a doença não era muito diagnosticada porque as pessoas dificilmente viviam mais do que 60 anos. Hoje as pessoas já estão vivendo quase 100 anos.

DESGASTE DA CARTILAGEM

Cartilagem é o tecido branco e brilhante que recobre as extremidades ósseas dentro de uma articulação sinovial. A cartilagem proporciona superfícies lisas e lubrificadas para que os ossos se articulem entre si com o mínimo de atrito. A cartilagem do joelho é um tecido altamente especializado que possui características fisiológicas próprias. Ela não é vascularizada nem inervada e possui poucas células, os condrócitos. Sua fisiologia não permite que o tecido condral se regenere. Esse é o grande problema do desgaste da cartilagem do joelho. A cartilagem que se desgasta não tem capacidade de regeneração. Danos envolvendo a cartilagem do joelho costumam ser irreversíveis.

LÍQUIDO SINOVIAL

O líquido sinovial é o lubrificante natural das nossas articulações. Ele é responsável pela lubrificação e também ajuda no amortecimento de impactos do joelho, além de nutrir a cartilagem. A composição do líquido sinovial é a mesma do plasma sanguíneo, com o acréscimo de algumas proteínas de alto peso molecular e mucopolissacarídeos. O principal mucopolissacarídeo presente no líquido sinovial é o ácido hialurônico, que é o responsável pela viscosidade.

DESGASTE CARTILAGEM JOELHO

CONDROMALÁCIA PATELAR

Condromalácia patelar, também conhecida como condropatia patelar, é uma doença degenerativa que acomete a cartilagem da patela, o osso móvel localizado na frente do joelho. A condromalácia é mais comum em pacientes jovens, principalmente mulheres. Na condromalácia o tecido condral fica amolecido e, não tendo a sua consistência normal, está suscetível a sofrer desgaste. A patela suporta grandes cargas quando fletimos o joelho e esse excesso de pressão pode ser o causador do próprio processo degenerativo e, também, das fissuras e erosões que aparecem na sequência se a doença não for diagnosticada e tratada corretamente. A condromalácia não tratada evoluirá para artrose patelofemoral, uma condição bastante dolorosa e que causa grandes limitações ao paciente.

ARTROSE DO JOELHO

Artrose é o processo degenerativo da cartilagem, processo esse que as pessoas chamam popularmente de desgaste do joelho. A artrose do joelho também é chamada de gonartrose. A doença atinge milhões de pessoas em todo o mundo. Na artrose a cartilagem do joelho se degenera e pode expor o osso subcondral quando a doença atinge o seu grau mais avançado. A doença provoca bastante dor e é incapacitante, uma vez que prejudica a locomoção do paciente. A artrose do joelho prejudica muito a qualidade de vida do paciente. Como a cartilagem é um tecido que não se regenera, o importante é fazer o diagnóstico da artrose do joelho o mais precocemente possível para que o tratamento correto seja instituído antes que a doença avance. A doença começa com o amolecimento da cartilagem e progride com o seu desgaste progressivo. A artrose do joelho pode acometer pacientes de todas as idades, mas é mais comum nas pessoas acima de 60 anos. Nessa faixa etária todas as pessoas apresentam algum grau de desgaste natural dos joelhos. A artrose do joelho, quando presente em pacientes jovens, costuma ter origem pós-traumática.

GRAUS DO DESGASTE NO JOELHO

GRAUS DO DESGASTE NO JOELHO

Existem várias classificações para o grau de desgaste da cartilagem do joelho. A classificação mais usada no dia a dia pelos médicos ortopedistas é aquela que divide o desgaste do joelho em 4 graus. No grau I existe um pequeno desgaste da cartilagem. No grau II o desgaste pode atingir até 50% da espessura da cartilagem. No grau III mais de 50% da espessura da cartilagem já se desgastou e finalmente, no grau IV, o osso subcondral é exposto.

FATORES PREDISPONENTES

As doenças da cartilagem que causam o desgaste no joelho têm origem multifatorial. Alguns desses fatores já foram identificados e estudados, mas suspeita-se que existam outros fatores que ainda não foram descobertos. Os fatores que já são conhecidos foram divididos em dois grupos: fatores modificáveis e fatores não-modificáveis. Os principais fatores modificáveis são o peso corporal, tabagismo, excesso de atividades físicas, exercícios de alto impacto e má-alimentação. Os principais fatores não-modificáveis são: sexo, idade, doenças reumáticas e genética.

PRIMEIRO SINTOMA

O primeiro sintoma de que pode haver algum desgaste da cartilagem no joelho é dor ao subir ou descer escadas. O paciente relata, no início do processo de desgaste da cartilagem, um desconforto e, eventualmente, alguma dor quando usa escadas. A dor é mais evidente quando se descem os degraus.

SINTOMAS

Dor, crepitação, inchaço e falseios são os sintomas mais comuns do joelho com desgaste da cartilagem. Os sintomas da artrose costumam acontecem na forma de crises. No início os sintomas são leves e duram pouco tempo. Com o avanço do desgaste da cartilagem as crises começam a ficar mais frequentes, a intensidade da dor aumenta e ela dura vários dias. A deformidade também pode acompanhar a progressão do processo degenerativo condral. Os joelhos parecem entortar com o avanço do desgaste do joelho.

DESGASTE JOELHO

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do desgaste da cartilagem do joelho é feito pelo exame de ressonância magnética. É nesse exame que o médico ortopedista consegue ver e analisar a cartilagem e o grau do seu comprometimento. No exame de RX do joelho não é possível ver a cartilagem, mas suspeita-se de que haja seu desgaste quando o espaço entre os ossos está diminuído e são identificados osteófitos, geodos e esclerose subcondral.

TRATAMENTO

O desgaste da cartilagem do joelho não tem ainda cura conhecida. Mas, mesmo sendo incurável, existem vários tratamentos que podem diminuir a dor e evitar a progressão da doença. Um dos tratamentos mais usados na atualidade é a aplicação de ácido hialurônico no espaço intra-articular. As aplicações diminuem o processo inflamatório, a dor e a velocidade de progressão do desgaste do joelho. Sessões de fisioterapia podem ajudar a amenizar a dor, bem como o uso comedido de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios. Cirurgias podem ser indicadas quando o tratamento conservador falha.

ÁCIDO HIALURÔNICO

A viscosidade do líquido sinovial do joelho é determinada pela presença do ácido hialurônico na sua composição. Nos processos inflamatórios e degenerativos da cartilagem a sinóvia produz mais líquido sinovial do que o necessário, mas a quantidade de ácido hialurônico na sua composição é menor, deixando-o menos viscoso e facilitando o desgaste da cartilagem. O inchaço no joelho com desgaste se deve ao excesso de líquido sinovial inflamatório. Esse excesso de líquido é chamado de derrame articular e popularmente as pessoas dizem que estão com água no joelho. As aplicações de ácido hialurônico diretamente no espaço articular do joelho têm a finalidade de aumentar a viscosidade do líquido sinovial que está diminuída devido à inflamação provocada pelo processo degenerativo.

JOELHO DESGASTE

SUPLEMENTOS

Existem diversos suplementos alimentares que as pessoas tomam para o tratamento do desgaste da cartilagem do joelho. De tempos em tempos surge uma nova moda de alguma substância que promete até a cura das patologias condrais. Cartilagem de tubarão, condroitina, glucosamina e colágeno são os suplementos mais consumidos na atualidade. Diversos estudos comprovaram, no entanto, que nenhum deles funciona.

CIRURGIA

Artroscopia para limpeza da articulação, condroplastia, cirurgia de osteotomia e cirurgia de prótese de joelho são procedimentos cirúrgicos que podem ser indicados no tratamento da condromalácia e da artrose. A cirurgia de prótese, para substituição da articulação, é o último recurso e só é indicada quando todos os outros tratamentos menos agressivos não têm mais efeito.

PREVENÇÃO

É possível evitar o desenvolvimento de desgaste no joelho tomando-se cuidado com os fatores modificáveis da doença. Cuidar do peso corporal é o mais importante. A obesidade é o fator modificável número um para o desenvolvimento de condropatias no joelho. Manter o peso corporal dentro da faixa de normalidade é muito importante para a saúde dos joelhos. Não fumar e evitar atividades físicas excessivas e/ou de alto impacto também ajuda na prevenção do desgaste do joelho.

ESPECIALISTA

Pacientes com suspeita de desgaste do joelho devem consultar um médico ortopedista especialista em joelho. Quanto mais cedo se faz o diagnóstico das doenças da cartilagem do joelho, melhor é o prognóstico.