MENISCO DO JOELHO

MENISCO DO JOELHO

O menisco é uma estrutura anatômica muito importante no joelho. Lesões nos meniscos são relativamente comuns. O joelho é a maior articulação do corpo humano. Ele é formado pela união da extremidade inferior do fêmur ( osso da coxa ), extremidade superior da tíbia ( osso da perna ) e pela patela ( ou rótula ) anteriormente. Entre o fêmur e a tíbia encontram-se duas estruturas de fibrocartilagem, com o formato de meia-lua, chamadas de meniscos. Eles funcionam como amortecedores, fazendo a adaptação entre as superfícies cartilaginosas dos dois ossos. O joelho é uma articulação de carga, porque suporta o peso do nosso corpo, e dentro dos nossos joelhos são os meniscos que recebem e transferem parte significativa das forças do fêmur para a tíbia. Os meniscos também funcionam como estabilizadores da articulação.

LESÃO NO MENISCO

No nosso meio os homens costumam lesionar os meniscos do joelho jogando futebol. As mulheres, por sua vez, lesionam seus meniscos em atividades caseiras diárias como, por exemplo, ao agachar para pegar alguma coisa no chão ou numa gaveta baixa, ou então fazendo ginástica na academia. Nas pessoas de mais idade as lesões degenerativas são bastante comuns – os meniscos envelhecidos ficam mais fracos e forças menores sobre eles podem causar lesões, muitas vezes sem traumatismos significativos. Atividades de impacto e o sobrepeso corporal podem causar lesões meniscais. Pacientes que nasceram com menisco discóide ( o menisco com formato de disco ao invés de meia-lua ) também podem ter lesão meniscal, que acontece mais comumente na adolescência, quando o menisco anômalo se rompe durante alguma atividade física.

LESÃO NO MENISCO

FATORES PREDISPONENTES

Obesidade, idade acima de 60 anos, desvios em varo ou valgo, menisco discóide, atividades físicas de alto impacto, atividades que exijam agachamento, artrose e lesão do ligamento cruzado anterior ( LCA ) são fatores predisponentes conhecidos para o desenvolvimento das lesões meniscais.

VASCULARIZAÇÃO DO MENISCO

O menisco tem alguma vascularização apenas na sua região periférica, onde ele se fixa à cápsula articular do joelho. Essa região, por receber irrigação sanguínea, tem algum potencial de cicatrização. As outras regiões meniscais, mais internas, não são vascularizadas e não cicatrizam se forem lesionadas. Esse é o grande problema das lesões meniscais. A fibrocartilagem, na sua região não vascularizada, não cicatriza depois de lesionada.

MENISCO MEDIAL E MENISCO LATERAL

Cada joelho tem dois meniscos: menisco medial e menisco lateral. O menisco medial é maior, tem formato de meia-lua, é pouco móvel e mais propenso a lesões. O menisco lateral é menor, tem formato circular e maior mobilidade. As lesões envolvendo o menisco lateral têm pior prognóstico porque ele suporta mais pressão do que o menisco medial, visto que seu tamanho é menor. Lesões envolvendo o menisco lateral são mais sintomáticas e predispõem o compartimento lateral do joelho a desenvolver artrose mais rapidamente.

SINTOMAS DE LESÃO MENISCAL

Lesões meniscais pequenas geralmente não são sintomáticas. As lesões que provocam sintomas são as lesões maiores, onde há instabilidade da estrutura meniscal, deslocamento de fragmentos ou intensa inflamação. Os sintomas mais comuns de lesão meniscal são dor, joelho inchado, estalos e, em alguns casos, até o bloqueio articular. Mas o que mais chama a atenção do paciente é a dor que, com o passar do tempo, tende a aumentar. O inchaço costuma não ser muito significativo na maioria das vezes. Estalos durante os movimentos do joelho podem acontecer em alguns pacientes. Em algumas situações um fragmento do menisco rompido pode se deslocar, bloqueando a articulação e impedindo o paciente de esticar ou dobrar o joelho. O joelho parece que “trava”. O fragmento meniscal deslocado impede o livre movimento articular. Essa lesão é conhecida como lesão em alça de balde do menisco. A dor das lesões meniscais costuma acompanhar a interlinha articular.

MENISCO

DERRAME ARTICULAR

Na presença de uma lesão meniscal o joelho pode inchar. Costuma ser um inchaço não muito grande e que demora várias horas para aparecer depois do machucado inicial. Os pacientes sentem que há líquido dentro da articulação, o que é popularmente chamado de água no joelho. Se o joelho estiver muito inchado o médico ortopedista fará uma punção articular para alívio da dor. É um procedimento simples, feito com anestesia local, onde uma seringa com agulha é usada para tirar o excesso de líquido formado dentro do joelho, que costuma ser líquido sinovial, o líquido transparente e amarelado que lubrifica a articulação. Eventualmente pode haver um pouco de sangue.

DIAGNÓSTICO DE LESÃO NO MENISCO

O diagnóstico de lesão no menisco é feito através do exame físico do joelho sintomático e do exame de ressonância magnética. O médico especialista faz algumas manobras no joelho para detectar a lesão meniscal. As manobras de McMurray, Apley, Childress e Steinmann são as mais conhecidas. Elas reproduzem a dor da lesão meniscal. As manobras, quando positivas, reproduzem a dor da lesão meniscal.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA É ESSENCIAL

O exame que melhor identifica as lesões meniscais é a ressonância magnética. O médico especialista sempre irá solicitar esse importante exame para identificar o tipo, a localização e a extensão da lesão meniscal. Um exame de boa qualidade é essencial para avaliação das lesões meniscais. As lesões das raízes dos meniscos, por exemplo, são mais facilmente diagnosticadas em exames de boa qualidade.

NATUREZA DA LESÃO MENISCAL

Lesões meniscais, conforme a sua causa, podem ser classificadas em traumáticas ou degenerativas. Lesões traumáticas são aquelas resultantes de um traumatismo como contusão ou entorse. Lesões degenerativas são aquelas que acontecem pelo envelhecimento do menisco. Os meniscos tendem a ficar menos resistentes com o aumento da idade do paciente.

TIPOS DE LESÃO MENISCAL

Os meniscos podem sofrer os mais diversos tipos de lesão. O tipo de lesão, em relação ao seu aspecto, é identificado pelo médico especialista no exame de ressonância magnética. Os tipos mais comuns de lesão meniscal são: vertical, oblíqua, horizontal, radial, com flap, alça de balde e complexa. As lesões complexas combinam vários tipos de lesão.

LOCALIZAÇÃO DA LESÃO NO MENISCO

O menisco é dividido anatomicamente em três regiões: corno anterior, corpo e corno posterior. As lesões meniscais podem acometer qualquer uma dessas regiões, além das raízes do menisco. Cada menisco tem uma raiz anterior e outra posterior. As raízes são responsáveis pela inserção do menisco na tíbia.

CISTO PARAMENISCAL

Cistos parameniscais são cistos que se formam dentro dos meniscos ou adjacentes a eles. Normalmente esse tipo de cisto está associado à presença de uma lesão meniscal.

DEGENERAÇÃO INTRASUBSTANCIAL

A degeneração intrasubstancial do menisco, também conhecida como degeneração mixóide ou degeneração mucinosa, é vista no exame de ressonância magnética. Uma pequena área do menisco está degenerada, porém a estrutura meniscal está íntegra. Costuma ser um achado no exame e normalmente é assintomática.

MENISCO EXTRUSO

A extrusão meniscal acontece quando o corpo do menisco se desloca para fora do espaço articular. Costuma ser uma lesão grave, onde as fibras circunferenciais da estrutura meniscal foram rompidas.

IMPACTO OSTEOMENISCAL

O impacto osteomeniscal acontece quando um flap de uma lesão meniscal se desloca para o recesso menisco-tibial. Nesse tipo de lesão é comum vermos edema ósseo na tíbia e intenso processo inflamatório.

MENISCO DISCÓIDE

O menisco normal tem o formato de meia-lua. O menisco discóide é uma anomalia congênita onde o menisco apresenta formato arredondado.

LESÃO MENISCAL TIPO ALÇA DE BALDE

A lesão meniscal tipo alça de balde é uma lesão grande. O menisco é dividido longitudinalmente formando um fragmento que pode se deslocar e bloquear a articulação.

LESÃO NO MENISCO DO JOELHO

LESÃO MENISCAL TIPO RAMPA

Lesão em rampa é uma lesão vertical na junção do menisco com a cápsula articular. É mais frequente na região do corno posterior do menisco medial.

PERIMENISCITE

Perimeniscite é o processo inflamatório ao redor da inserção do menisco na cápsula articular. A perimeniscite costuma, na maioria das vezes, estar associada a lesão no menisco.

TRATAMENTO DAS LESÕES DOS MENISCOS

O tratamento das lesões meniscais depende da natureza, do tipo, da localização e da extensão da lesão. Pode ser conservador com medicamentos, repouso de atividades físicas e fisioterapia. Ou pode ser cirúrgico nos casos onde houve rompimento da estrutura meniscal. Atualmente, com as técnicas artroscópicas, um cirurgião especialista habilidoso resolve o problema em alguns minutos. A recuperação após a cirurgia é relativamente rápida e, em poucos dias, o paciente poderá retornar às suas atividades normais.

TRATAMENTO CONSERVADOR

Nem todas as lesões de menisco precisam de cirurgia. A ideia inicial é tratar as lesões meniscais de forma conservadora. O tecido meniscal precisa ser preservado. Lesões pequenas, assintomáticas ou pouco sintomáticas, devem ser tratadas sem cirurgia. Exames de imagem de rotina são feitos para acompanhar a lesão. O paciente deve ser orientado a evitar atividades ou movimentos do joelho que possam aumentar a lesão.

ARTROSCOPIA DE JOELHO

Na artroscopia do joelho são feitas duas mini-incisões, uma de cada lado do joelho, não maiores do que 5 mm cada. Por um desses orifícios o médico introduz o artroscópio, um instrumento óptico que é acoplado a uma câmera e que transmite as imagens de dentro da articulação, ampliadas e em alta resolução, para um monitor de vídeo. Pelo outro orifício são inseridos os instrumentos cirúrgicos artroscópicos, que permitem ao cirurgião tratar as lesões dos meniscos. Os procedimentos cirúrgicos que podem ser feitos através da artroscopia são: meniscectomia, reinserção de raiz e sutura. Algumas lesões são passíveis de serem suturadas, porém são lesões difíceis de serem encontradas. Elas precisam atender alguns critérios para que a sutura tenha bom resultado: precisam ser periféricas ( estando dentro da área vascularizada do menisco que fica junto à cápsula articular ), não devem ser maiores do que 30 mm e, mais importante, precisam ser recentes ( preferencialmente com menos de 15 dias de evolução ). Existe ainda a possibilidade de um transplante de menisco. O menisco é retirado de um cadáver, tratado, e depois fica disponível para ser transplantado. Não existe ainda uma uniformidade de bons resultados, além de se depender de um bom banco de tecidos. Foram relatados a degeneração precoce da cartilagem articular e também do próprio menisco transplantado. Existe o risco adicional, ainda que pequeno, de transmissão de doenças. As indicações são muito restritas e, como os resultados nem sempre são bons, é uma opção que ainda necessita de maiores estudos para poder ser aplicada na prática cotidiana. Estudos estão sendo feitos em alguns países sobre a possibilidade de se usar um menisco artificial para substituir o menisco machucado. O primeiro implante de menisco artificial nos Estados Unidos foi anunciado em janeiro de 2.015. Se os resultados forem bons, num futuro bem próximo, poderemos ter à disposição meniscos artificiais para serem implantados nos nossos pacientes.

COMPLICAÇÕES DA CIRURGIA

O risco de complicações em cirurgias artroscópicas de joelho é muito baixo e não chega a 1%. As complicações mais citadas nos livros são: infecção, lesão nervosa, lesão vascular, lesão condral, fenômenos tromboembólicos, artrofibrose, fístula sinovial e persistência da dor.

FISIOTERAPIA

Sessões de fisioterapia são muito importantes no período de recuperação de uma cirurgia de menisco. O paciente deve escolher fisioterapeutas que tenham especialização e experiência na área de traumatologia esportiva. As sessões de fisioterapia começam alguns dias depois da cirurgia. A recuperação é relativamente rápida. Em alguns dias apenas os pacientes retornam às atividades cotidianas e em algumas semanas já podem voltar às atividades físicas normais. Diminuir a dor e a inflamação, manter e melhorar a amplitude dos movimentos do joelho, fortalecer a musculatura do membro inferior e estimular a propriocepção são os principais objetivos das sessões de fisioterapia.

MENISCO JOELHO

ARTROSE DO JOELHO

Os meniscos funcionam como amortecedores do joelho e também protegem a cartilagem. Lesões meniscais podem dar início ao processo de artrose envolvendo a cartilagem adjacente ao menisco lesionado. Pacientes com artrose já desenvolvida e lesão meniscal devem ser avaliados com cuidado. Uma cirurgia para tratar a lesão meniscal num joelho artrósico pode resultar num aumento rápido e significativo da degeneração condral. A artrose é uma doença que pode causar grandes limitações. A degeneração da cartilagem é um processo que ainda não tem cura conhecida.

ÁCIDO HIALURÔNICO

A aplicação de medicamentos à base de ácido hialurônico no joelho pode diminuir a velocidade de degeneração da cartilagem e também diminuir os sintomas de uma lesão meniscal degenerativa, principalmente nos casos onde a lesão meniscal está associada à artrose. As aplicações diminuem a dor e a inflamação, lubrificam e protegem a cartilagem, além de melhorar a absorção de impactos do joelho.

ESPECIALISTA EM JOELHO

É importante que o paciente com dor no joelho consulte um médico ortopedista especialista em joelho para ser avaliado. A dor pode estar sendo causada por uma lesão de menisco e quanto mais cedo forem feitos o diagnóstico e o tratamento, melhor será o resultado. As lesões meniscais não tratadas tendem a aumentar com o passar do tempo e costumam evoluir para artrose, uma condição mais grave onde há comprometimento irreversível da cartilagem.

WhatsApp
(41) 98824-3384
Cadastro
Agendamento